Como já mencionei em trabalhos anteriores, sou Vendedor de profissão há mais de 40 anos e há perto de 30 anos trabalho com Treinamento e Palestras para Vendedores.

E porque comecei este artigo falando isso?

Simples. Faz mais de 30 anos que assisto muitos Vendedores, e isso já aconteceu comigo também, deixarem de Vender, simplesmente, por utilizarem o Achômetro.

Eu explico:

– Você é Vendedor de uma loja de calçados em um Shopping e, em um determinado momento do dia, entra em sua loja um Cliente, porém, o mesmo não carrega nenhuma sacola de outra loja do Shopping, logo, vem aquela brilhante dedução que somente um Vendedor que utiliza esse equipamento, o Achômetro, poderia ter: “Chiiiii… Acho que esse Cliente não vai comprar nada. Olha só, ele não carrega nenhuma sacola”.

Ou seja, a brilhante dedução, leva em consideração o fato do Cliente não ter comprado nada em nenhum outro lugar.

Aí eu te pergunto:

– E se o Cliente foi ao Shopping para comprar sapatos e a sua loja foi a primeira em que ele entrou?

A verdade é que, ao utilizar o Achômetro com esse tipo de avaliação, o Vendedor negativa a sua energia e, ao fazer isso, pergunto, como ele atenderá esse Cliente?

Se a sua resposta foi, “prestará um atendimento ruim”, você está certo. Se você Vendedor, ao olhar para o seu Cliente, já determinar que ele não irá comprar, que disposição terá para Vender?

E isso acontece muito e em qualquer seguimento de produtos e serviços.

Ligamos o Achômetro e analisamos a possibilidade de resultado antes mesmo de falar com o Cliente. O carro que o Cliente dirige, as roupas que ele usa, o vocabulário simples e, às vezes, recheado de termos regionais, a idade, enfim, nenhum desses fatores poderão ser considerados como determinantes para o fracasso ou sucesso de um atendimento.

Pense nisso!

E se você quer uma dica valiosa e que eu deveria cobrar um bom valor para te dar, lá vai:

  • Vendedor e Vendedora deste meu Brasil Varonil, pelo amor de Deus, desligue o seu Achômetro.